sábado, dezembro 31, 2016

Dia 31



Hoje é dia 31 de dezembro de 2016. Falta poucas horas para o ano acabar. Estou sentada no sofá da minha esperando minha família chegar para uma pequena reunião. Esse ano as batalhas foram muitas e as mudanças também. 

Nós que já estávamos batalhando com a demência de meu pai há mais ou menos 3 anos, agora estamos lidando com um câncer em minha mãe. Soubemos agora, no início de dezembro. 

A primeira reação foi de desespero, mas com tempo as coisas estão se encaixando e o coração tá começando a se acalmar. A batalha sem dúvida alguma é grande, mas a disposição também. Então, depois das lágrimas veio a força, nem sei bem de onde.

Com o diagnóstico de minha mãe, a minha cirurgia teve que ser adiada indeterminadamente. Os exames estavam prontos, só estava fazendo uso de noripurum por causa da anemia. Não me queixo, definitivamente minha mãe é infinitamente mais importante.

Esse ano foi realmente um ano duro, mas também foi um ano de recomeço. Fui para o terceiro semestre de minha nova graduação com o coração cheio de alegria e gratidão. Eu me encontrei. Demorei, mas me achei e tô super feliz.

Nesse ano aprendi a real importância de saber dizer não. Então, deixei coisas, lugares e pessoas no passado. E descobri que hoje eu me gosto bem mais e as pessoas que convivem comigo já me falam abertamente como mudei.

Mudei tanto que até fiquei loira. E sinceramente estou adorando. Morro de ri quando um guri na rua me chama de loirinha. O coração, sossegado, tá feliz, ele descobriu que tudo que custe a paz dele é caro demais. Então encontrou um outro coração em paz. E a paz tá multiplicada.

Desejo a todos que acompanham o blog um 2017 incrível. As batalhas sempre existirão, para todos nós, fazem parte da vida. Mas nossa garra também existe e vamos cultivá-la. Nem sempre é fácil, mas é a melhor opção sempre.

Não deixem de acreditar nos sonhos, de correr atrás. A vida passa rapidinho. E bora lá, que o universo conspira a favor daquele luta pelo bem. Feliz ano novo! Toda paz sempre.



segunda-feira, outubro 17, 2016

E chegou minha hora!

Dia 20/10 completo cinco anos de bariátrica. 

Parabéns para mim! 

Estou comemorando esses cinco anos com o início de minhas reparadoras. Depois de muitas incertezas fui a uma consulta com o cirurgião plástico. Cheguei lá um pouquinho antes das 15h e saí às 17:30h. Fui muito bem recebida, fotografada (credo!) e orientada. Finalmente decidi, vou fazer.

As minhas reparadoras serão feitas em duas etapas. A primeira será abdômen, glúteo e pernas. E a segunda, após seis meses, será seios e braços. Saí da consulta quase me acreditando um Frankenstein, mas ok, faz parte de um longo processo.

Farei pelo plano de saúde todas elas, e se tudo sair conforme o planejado, em dezembro a primeira etapa estará concluída. Eu ando bem ansiosa com isso, uma expectativa misturada a um pouco de medo.

Hoje enquanto escutava o médico, fiquei imaginando o resultado final dessa primeira etapa. As peles de barriga vão todas sumir, o bumbum será levantado e modelado, as pernas também passarão por uma retirada de pele. Será um procedimento grande, mas que me transformará muito. 

Já até imaginei como será comprar meu primeiro biquíni, ou ir a praia, cachoeira. Dá uma emoção tão grande saber que aos pouquinhos minha vida vai entrando nos eixos. Que as marcas começam a ser substituídas por outras, e que me lembrarão que caminhei um longo caminho, lutei uma grande batalha e venci.

Tenho muitos exames para fazer, tomografia, risco cirúrgico, raio-x, exames de sangue e laudo da hematologista (por causa da anemia ferropativa) e consulta com anestesista. Maaaaas, ainda tenho que esperar as provas acabarem na faculdade para que eu possa falar com o pessoal da equipe e eles acionem o plano de saúde.

Depois disso o plano tem 21 dias para responder (autorizar), e depois de autorizado eu tenho 30 dias para operar. A recomendação da secretária do cirurgião sobre lidar com esse tempo sem se enrolar  é começar a fazer alguns exames mais enjoadinhos. E farei isso mesmo. 

No mais, nada de emagrecer mais, ordens do doutor, o que chega até ser engraçado. 

Final de novembro eu volto para contar a evolução de todo esse processo. Por enquanto vou deixando meu abraço e o desejo sincero para aquele que lê esse blog nunca desista de você, se cuida, física e mentalmente, lute, não se conforme com aquilo que te fere. Só há dois dias no ano em que você não pode fazer nada pela sua vida: ontem e amanhã.

Então vamos lá, porque se tentar viver saudável (mente, corpo e coração) dá trabalho, ser infeliz dá muito mais. 




terça-feira, setembro 06, 2016

Engolir sapo pesa na balança


Alguém por aqui acredita em destino? Aquela malha invisível e misteriosa que nos conduz a determinado caminho... Pois bem, acreditando ou não, aconteceu algo muito curioso comigo hoje e dei crédito ao sr. destino. 

Logo após o almoço dei um pulinho até a banca de revistas próxima a minha casa procurando uma caneta, quando me deparo com essa belezura. Não que a capa seja a mais atraente do mundo. Mas como diz o velho ditado, não devemos julgar o livro somente por sua capa.

O título me chamou muito a atenção, mas foi quando vi o índice que eu tive a certeza que ele estava destinado a mim. Olhem só o índice!  


A autora que é psicoterapeuta, não vem nos enfiar em modismos, ou nos apresentar fórmulas mirabolantes. A proposta dela é fazer uma busca de alguns "porquês".

Aos pouquinhos vou postando os tópicos mais legais do livro. Por enquanto fica essa dica de leitura mara. 

Anda engolindo sapinhos? Cuidado! Isso pode estar afetando no seu peso. 

quinta-feira, agosto 18, 2016

Treinamento Funcional


Já faz um tempão que estou tentando me adaptar a uma prática de exercício físico. Tentei natação, mas meu medo da água foi maior, e após seis meses desanimei.

Tentei musculação, mas achava um saco aquele ambiente pesado e neurotizado de academia.

Cogitei até fazer dança do ventre. Mas as minhas pelancas falaram mais alto. Ainda me sinto constrangida com elas.

Mas meu cirurgião sempre me cobrava isso nas consultas, a necessidade de fazer um exercício físico. Eu emagreci muito, 52 no quilo total, e sem atividade física perdi muita massa magra também, o que não é nem um pouco bom.

Em cinco anos eu fiquei totalmente sem força física, e não foi por falta de orientação médica não. 

Até que encontrei o chamado treino funcional. Só que para pagar todos os meus pecados é feito na areia; E pensem num trem intenso, mas não nego, adorei. É ao ar livre, é em grupo, as pessoas que treinam comigo são reais (não aquelas super bombadas). Os exercícios são dinâmicos, e toda semana o treino muda.

Já estou treinando a quase dois meses e já fiz cada exercício que nunca imaginei que conseguiria. Já corri até arrastando pneu, e olha que eu não conseguia correr. Simplesmente não conseguia! 

Além de descobrir que eu não sabia como correr. A treinadora me ajudou a melhorar muito meu equilíbrio e coordenação motora. 

O treino na areia é muito, muito desgastante. Termino o treino mortinha.  Mas o lado maravilhoso e que como os exercícios são muito dinâmicos, você, com o tempo, vai ganhando força, equilíbrio, flexibilidade, condicionamento e resistência.

É um treino muito indicado para quem quer emagrecer porque é puxado pra caramba e queima mesmo. Derrete tudo! Na primeira semana você fica toda dolorida. Subir e descer escadas é quase impossível, você até cogita em nunca, jamais voltar ao treino.

Mas depois a gente pensa direito, lembra de nossos objetivos e decide voltar e persistir. E vou falar para vocês, toda aula é uma superação. Pois o treino nunca é o mesmo e necessitamos sempre nos superar.

Estou lá porque preciso de força, resistência, condicionamento e é claro coordenação motora. Pensem numa serumaninha que é descoordenada. Prazer, eu!

De aspecto negativo eu só notei a relação da areia com os pés. Primeiro, inocentemente eu tentei treinar de meias, mas elas não aguentam o atrito e se desfazem. Depois desencanei e fui treinar descalço mesmo. Mas meus pés ficaram ásperos e eu não gostei. Daí uma das gurias do grupo comprou uma botinha de neoprene (aquelas que os mergulhadores usam) e parece que isso solucionou a crise. Vou comprar uma também.

Tô gostando muito e realmente indico. Só repito que é preciso querer se superar. Depois disso caímos de paixão e então viramos fã.